segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Um obrigado aos leitores e comentaristas e desejos de um BOM ANO de 2008

Obrigado a todos os leitores e comentaristas do "Alma Viva" e do "Sentires Sentidos".

Aos leitores, à família e aos amigos desejo um excelente ano de 2008. Que o pior de 2008 seja o melhor de 2007.

Rui Moio

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Desenraizados

Nesta terra refúgio
vazia da nossa identidade
estrangeiros os passos
e a vontade…
Alheio o rosto
das coisas alheias
que nos olham…
Hostil o cenário
que passeamos indiferentes
com olhos vidrados de peixes mortos
fora do aquário

Fonte. LIvro: As Lágrimas da Memória

Quando eu morrer

Quando eu morrer
não me dêem rosas
mas ventos.

Quero as ânsias do mar
quero beber a espuma branca
duma onda a quebrar
e vogar.

Ah, a rosa dos ventos
a correrem na ponta dos meus dedos
a correrem, a correrem sem parar.
Onda sobre onda infinita como o mar
como o mar inquieto
num jeito
de nunca mais parar.

Por isso eu quero o mar.
Morrer, ficar quieto,
não.
Oh, sentir sempre no peito
o tumulto do mundo
da vida e de mim.

E eu e o mundo.
E a vida. Oh mar,
o meu coração
fica para ti.
Para ter a ilusão
de nunca mais parar.

Poema

Eis-nos aqui no caminho
Traçado por nossa mão.
Cada braço traz o punho
e cada punho um punhal.
Bandoleiros na vida,
vida errante era o destino!
Nas costas nasceram traços
da vida dura sem pão.
Rugas dos covais da vida
cemitérios da ilusão!...
Mortos, mortos, mas com vida
quase á beira do chão.
Quase à beira do chão
rastejantes, vermes, podres!...
Pobre miséria do mundo
só o dinheiro é patrão.
Só o dinheiro é patrão
dos vermes sujos do chão
Cada verme traz um punho
com uma faca na mão.

Nota. Poema inicialmente publicado no “ABC – Diário de Angola”

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Metade




Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca

Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é o silêncio

Que a música que ouço ao longe
Seja linda, ainda que tristeza

Que a mulher que eu amo
Seja p´ra sempre amada
mesmo que distante

Porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade

Que as palavras que eu falo
Não seja, ouvidas como prece
Nem repetidas com fervor

Apenas respeitadas
Como a a única coisa
Que resta a um homem
Inundado de sentimentos

Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma
E na paz que eu mereço

E que essa tensão
Que me corroe por dentro
Seja um dia recompensada

Porquer metade de mim é o que penso
mas a outra metade é um vulcão

Que a medo da solidão se afaste
E que o conívio comigo mesmo
Se torne ao menos suportável

Porque metade de mim
É a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei

Que o espelho reflicta
Em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância

Porque metade de mim
É a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei

Que não seja preciso
Mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito

E que o teu silêncio
Me fale cada vez mais

Porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço

Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba

E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade
Para fazê-la florescer

Porque metade de mim é plateia
e a outra metade é canção

E que a minha loucura
Seja perdoada

Porque metade de mim
É amor

E a outra metade
Também

domingo, 16 de dezembro de 2007

UM AMIGO...

UM AMIGO...

Ajuda-te
Valoriza-te
Respeita-te
Acredita em ti
Nunca te goza
Compreende-te
Nunca se ri de ti
Aceita-te como és
Eleva o teu espírito
Caminha a teu lado
Perdoa os teus erros
Admira-te no teu todo
Acalma os teus medos
Oferece-te o seu apoio
Ajuda-te a levantares-te
Diz coisas lindas sobre ti
Ama-te por aquilo que és
Explica-te o que não entendes
Diz-te tudo sobre o teu coração
Entrega-se-te incondicionalmente
Diz-te a verdade, quando precisas ouvi-la
Grita-te, se necessário quando não queres "ver" a realidade

Fonte. Enviado pela Rosária a 06Dez2007

Um beijo sem nome

Quando te disse
que era da terra selvagem
do vento azul
e das praias morenas...
do arco-iris das mil cores
do sol com fruta madura
e das madrugadas serenas...

das cubatas e musseques
das palmeiras com dendém
das picadas com poeira
da mandioca e fuba também...

das mangas e fruta pinha
do vermelho do café
dos maboques e tamarindos
dos cocos, do ai u'é...

das praças no chão estendidas
com missangas de mil cores
os panos do Congo e os kimonos
os aromas, os odores...

dos chinelos no chão quente
do andar descontraido
da cerveja ao fim de tarde
com o sol adormecido...

dos merenges e do batuque
dos muquixes e dos mupungos
ds imbondeiros e das gajajas
da macanha e dos maiungos.

da cana doce e do mamão
da papaia e do cajú...

tu sorriste e sussurraste
"Sou da mesma terra que tu!"

Fonte. livro "Vozes do vento". Enviado pela Rosária a 16Dez2007

A nova poesia resistente

No primeiro diploma,
Congelaram as progressões,
Acabaram os escalões,
E não dizemos nada.

No segundo diploma,
Aumentam o tempo das reformas,
Mexem com todas as normas,
E não dizemos nada.

No terceiro diploma,
Alteram o sistema de saúde,
Há um controlo amiúde,
E não dizemos nada.

No quarto diploma,
Criam-se informações,
Geram-se várias divisões,
E não dizemos nada.

No quinto diploma,
Passa a haver segredo,
As pessoas vivem com medo,
E não dizemos nada.

Até que um dia,
O emprego já não é nosso,
Tiram-nos a carne fica o osso,
E já não podemos dizer nada.

Porque a luta não foi travada,
A revolta foi dominada,
E a garganta está amordaçada.

sábado, 15 de dezembro de 2007

Hino do Pára-quedista

Paraquedista
Que andas em terra,
A tua alma encerra
Saudades do ar

E na conquista
Beijam-te as moças
Só p`ra que nao ouças
teu peito a vibrar

A morte é franca
Já te foi apresentada
ela de ti nao quer nada
Tem amor aos arrojados

A asa Branca
Quando a trazes desdobrada
é como a saia rodada
da moça dos teus pecados.

E quando em guerra
Mergulhares, fendendo o espaço,
Hás-de dar um grande abraço
Aos anjos que andam no céu

E quando em terra
Enfrentares audaz o perigo,
Gritarás ao inimigo:
- Alto aí ! Aqui estou eu

Fonte: Forum Boinas Verdes

Mudança

Há um minuto atrás não era eu
Por isso só me atraso se descrevo
Esta mudança brusca que se deu...
Não diria o que sinto no que escrevo.

Sou outro já, no que me aconteceu,
Todo o frio que tinha me aqueceu.
Não estou no que fiquei, sou a mudança:
O movimento, o sangue, o vento, a dança.

Onda de azul, crisálida de lodo,
Gota de chuva que arde em mar de fogo
Demónio ou anjo? Queda ou ascensão?

Sou o leve tremor, a vibração
De uma folha que corre o mundo todo
E por momentos pousa em minha mão.

Setembro 2003

Dizem que a democracia é uma coisa boa

Dizem que a Democracia é uma coisa boa/
Não há quem diga que não/
Se não fosse a democracia/
Não se sabia que havia tanto ladrâo

M E N S A G E M

O herói Jaz, Cansado de Lutar,
De Norte a Sul, na Pátria meditando.
Os seus olhos refulgem vendo entrar
Gente e raças voltando.

O braço esquerdo tem, ensanguentado,
O direito está firme mas mal posto.
O Primeiro diz Angola onde é pousado,
O outro PORTUGAL e está dobrado,
Com sua mão sustenta o próprio rosto.

Fita, sem dor, sem medo, e conservando
A alma, sempre viva, do passado:
O rosto com que fita é de um COMANDO!


Março de 2007
Fonte: Blogue Passa-Palavra - Post de Roberto Durão de 10Mar2007

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

NUNCA DESISTAS

Quando a vida vai mal, como acontece às vezes,
Quando a estrada que trilhas tem mágoas e revezes,
Quando o dinheiro é pouco e as dívidas são altas,
Quando tu queres sorrir e em dor te sobressaltas,
Quando o medo te oprime e a esperança mal avistas,
Então descansa um pouco, sim, mas não desistas.


Que o sucesso ou fracasso não te iludam jamais!
Quando em vez de te abrir te fechas ainda mais,'
E o cinzento doentio das nuvens te amargura,
Se nos olhos não vez amor nem ternura,
E tudo o que tens perto te parece afastado,
Então, enfrenta a luta, mesmo triste e magoado,
E se alguém te disser com pena: "Não resistas"
Outra voz gritará, mais forte: "Não desistas"


Fonte: Blogue "Blog do Quinze de 75" - Post de 20Jan2007


Nota Pessoal

Hoje, à tardinha, tive a sorte e a alegria de conhecer uma pessoa extraordinária, um patriota, um herói nacional, um comando, um militar em todo o sentido da palavra, um homem de letras e um poeta. Alguém que pensa que um militar escolheu um modo de morte e não um modo de vida.

Pouco depois, pesquisei na net pelo seu nome e pela sua obra e, entre outras coisas, encontrei este poema maravilhoso. Bem Haja coronel Roberto Durão. Obrigado pelo exemplo de vida e de amor pátrio que nos dá.

Rui Moio

Hino da Legião Portuguesa

Nós teremos que vencer...
Nada temos a temer
Da invasão comunista.
Já existe a Legião,
Ao vento solta o pendão,
Dá combate ao anarquista.
Não voltamos ao passado,
Acabou o revoltado,
Disso temos a certeza;
E mais tranquilos andamos
Porque todos confiamos
Na Legião Portuguesa.
Reparai no seu marchar,
Os braços a oscilar,
Elevando a mão ao peito.
Garbosos e aprumados,
São verdadeiros soldados
da ordem e do respeito.
Ele é um soldado unido,
Quer na paz ou quer no perigo,
O seu lema é avançar.
Respeita o seu comandante,
Gritando sempre: Avante!
Por SALAZAR! SALAZAR!

Autor: José Gonçalves Lobo em 1937

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Huíla

Foi no dia que soube que não eras para mim
que a minha vida mudou e o Mundo deu uma volta
a minha alma despedaçada exigia revolta
mas o coração apaixonado chorava assim:

Ó terra bendita que tens os meus antepassados
gente boa, gente má, corajosas e obreiras
que te edificaram em sacrifícios chorados por carpideiras,
eu vou, mas o teu encanto cantarei em meus fados.

E assim tenho vivido no sono da indolência
com os verdes da Chela que ancila a minha paixão
e as cascatas e os frutos que me suavizam a aparência.

E vou cantar-te até morrer, Huíla, numa canção
que te recorde e aos outros leve o teu encanto
e a lição do batuque do óbito em tradição e pranto.

Fonte: Blogue de José Jorge Grade - Post de 26Março de 2007

Sei que neste momento / De escuridão dois olhos / Me acompanham.

Sei que neste momento
De escuridão dois olhos
Me acompanham.
Sinto que neste momento
De solidão uma multidão
Me aguarda.
Creio que neste momento de dor
Uma luz divina me consola.
Sei, sinto e creio que sempre
Há companhia para quem
Caminha sozinho no sofrimento
E no encontro da vida.

Fonte - Poema copiado de um quadro à entrada da capela do Hospital de Santa Marta a 17Out2007

Votação

Já ganhei o dia
porque fui autentico.
Atingi o mínimo
sem me disfarçar.

A história, não tem
nada de maior.
É um dia na vida.
Chega acreditar.


OBS - Poema elaborado, possivelmente, em Novembro de 1969.
Enviado por carta de 01Nov69 – dia de Todos-os-Santos - a Beja Santos na Guiné.

Fonte: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné - Post de Beja Santos de 06Dez2007

Borda d’ Alma

O calendário foi cumprido
à risca – saiu certo.
Tive um tubérculo, por junto.
Entumescido,
Mas saiu certo.

A culpa foi minha, que não soube
Adubar bem.
Foi propício o clima. A culpa é minha.
De mais ninguém.

Vou experimentar novas mézinhas.
Talvez cultive.
Com anos de pousio, um homem cresce.
Talvez me salve.

OBS - Poema elaborado, possivelmente, em Novembro de 1969.
Enviado por por carta de 01Nov69 – dia de Todos-os-Santos - a Beja Santos na Guiné.

Fonte: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné - Post de Beja Santos de 06Dez2007

Opção

Para Marcello Caetano e Mário Soares

Com o impossível fazem-se milagres.
Com o possível há milagre a menos.

Vamos, decidamos
aquilo que queremos,
somente com as linhas
com que nos cozemos.

Aleluia!

OBS - Poema elaborado, possivelmente, em Novembro de 1969.
Enviado por por carta de 01Nov69 – dia de Todos-os-Santos - a Beja Santos na Guiné.

Fonte: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné - Post de Beja Santos de 06Dez2007

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Carta aos Puros


Ó vós, homens sem sol, que vos dizeis os Puros
E em cujos olhos queima um lento fogo frio
Vós de nervos de nylon e de músculos duros
Capazes de não rir durante anos a fio.

Ó vós, homens sem sal, em cujos corpos tensos
Corre um sangue incolor, da cor alva dos lírios
Vós que almejais na carne o estigma dos martírios
E desejais ser fuzilados sem o lenço.

Ó vós, homens ilumidados a néon
Seres extraordinariamente rarefeitos
Vós que vos bem amais e vos julgais perfeitos
E vos ciliciais à idéia do que é bom.

Ó vós, a quem os bons amam chamar de os Puros
E vos julgais os portadores da verdade
Quando nada mais sois, à luz da realidade,
Que os súcubos dos sentimentos mais escuros.

Ó vós que só viveis nos vórtices da morte
E vos enclausurais no instinto que vos ceva
Vós que vedes na luz o antônimo da treva
E acreditais que o amor é o túmulo do forte.

Ó vós que pedis pouco à vida que dá muito
E erigis a esperança em bandeira aguerrida
Sem saber que a esperança é um simples dom da vida
E tanto mais porque é um dom público e gratuito.

Ó vós que vos negais à escuridão dos bares
Onde o homem que ama oculta o seu segredo
Vós que viveis a mastigar os maxilares
E temeis a mulher e a noite, e dormis cedo.

Ó vós, os curiais; ó vós, os ressentidos
Que tudo equacionais em termos de conflito
E não sabeis pedir sem ter recurso ao grito
E não sabeis vencer se não houver vencidos.

Ó vós que vos comprais com a esmola feita aos pobres
Que vos dão Deus de graça em troca de alguns restos
E maiusculizais os sentimentos nobres
E gostais de dizer que sois homens honestos.

Ó vós, falsos Catões, chichibéus de mulheres
Que só articulais para emitir conceitos
E pensais que o credor tem todos os direitos
E o pobre devedor tem todos os deveres.

Ó vós que desprezais a mulher e o poeta
Em nome de vossa vã sabedoria
Vós que tudo comeis mas viveis de dieta
E achais que o homem alheio é a melhor iguaria.

Ó vós, homens da sigla; ó vós, homens da cifra
Falsos chimangos, calabares, sinecuros
Tende cuidado porque a Esfinge vos decifra...
E eis que é chegada a vez dos verdadeiros puros.

Fonte: Blogue Sobre o tempo que passa - post de 28Nov2007

domingo, 9 de dezembro de 2007

Hino Nacional Monárquico

sábado, 8 de dezembro de 2007

Hino da Guiné-Bissau

Sol, suor e o verde e mar,
Séculos de dor e esperança:
Esta é a terra dos nossos avós!
Fruto das nossa mãos,
Da flor do nosso sangue:
Esta é a nossa pátria amada.

CORO

Viva a pátria gloriosa!
Floriu nos céus a bandeira da luta.
Avante, contra o jugo estrangeiro!
Nós vamos construir
Na pátria imortal
A paz e o progresso!
Nós vamos construir
Na pátria imortal
A paz e o progresso!
Paz e o progresso!

Ramos do mesmo tronco,
Olhos na mesma luz:
Esta é a força da nossa união!
Cantem o mar e a terra
A madrugada e o sol
Que a nossa luta fecundou.

CORO

Viva a pátria gloriosa (...)
(1)
__________´
Nota de vb:
(1) Fonte: World Statesmen.org
Letra de Amílcar Lopes Cabral
Musica de Xiao He

Fonte: blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné - Post de 06Dez2007

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Hino a Gandembel



Hino a Gandembel

Gandembel das morteiradas,
Dos abrigos de madeira
Onde nós, pobres soldados,
Imitamos a toupeira.

- Meu Alferes, uma saída!
Tudo começa a correr.
- Não é pr’aqui, é pr’ponte!,
Logo se ouve dizer.

Oh!, Gandembel,
És alvo das canhoadas,
Verilaites (1) e morteiradas.
Oh!, Gandembel,
Refúgio de vampiros,
Onde se ligam os rádios
Ao som de estrondos e tiros.

A comida principal
É arroz, massa e feijão.
P’ra se ir ao dabliucê (2)
É preciso protecção.

Gandembel, encantador,
És um campo de nudismo,
Onde o fogo de artifício
É feito p’lo terrorismo.

Temos por v’zinhos Balana (3),
Do outro lado o Guilleje,
E ao som das canhoadas
Só a Gê-Três (4) te protege.

Bebida, diz que nem pó,
Só chocolate ou leitinho;
Patacão, diz que não há,
Acontece o mesmo ao vinho!

Recolha: José Teixeira / Revisão de texto: L.G.
____

(1) Verylights
(2) WC
(3) A famosa ponte Balana
(4) A espingarda automática G-3
Fonte: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné

sábado, 1 de dezembro de 2007

Cinzas ao Vento

«- Nem isso mesmo me responde o Mar!
Meu seio inquieto é um sepulcro enorme;
e muita vida aqui tranquila dorme
um sono que ninguém pode acordar.»

E o Mar, aquele monstro rude e informe,
pronto a tudo ruir, tudo tragar,
vem em estrofes dulcíssimas compor-me
a sua história longa de contar.

Sobre as ondas, há lutas, há destroços,
naufrágios, tempestades e escarcéus!...
O fundo é cripta imensa, cheia de ossos!

E por sobre esta luta tão renhida,
flâmulas, galhardetes e troféus!...
Rude Mar, és o símbolo da Vida!

OBS: Cristóvão Aires, natural de Ribandar, Goa era cunhado de Maria Amália Vaz de Carvalho
Cristóvão Aires teve uma filha Cândida Aires (1875/76-1964), sobrinha de Maria Amália Vaz de Carvalho que também se dedicou ás letras.

A REVOLUÇÃO DE 1640 (DE 1 DE DEZEMBRO)

Em luto o nobre povo se envolveu
E sentiu a funesta humilhação;
A fé lhe despertou revolução,
E Portugal, de novo, renasceu,

Porque a alma egrégia lusa se entendeu
Por forte e divinal inspiração.
Houve entre os conjurados a adesão
E o ânimo que os uniu e convenceu.

O Mendonça Furtado, o Antão de Almada
E tantos outros co'a maior esp’rança
Confiaram no duque de Bragança.

Toda a cautela a efeito foi levada
E com o duque, sempre tão prudente,
Tornaram Portugal independente.

Santo António laboroso

Santo António laboroso
gosta das bilhas quebrar,
para depois, carinhoso,
ir as bilhas concertar.

Mesmo calado me ensinas
tanta, tanta simplicidade,
e nas coisas pequeninas
que existe grandiosidade.

Que a vida te possa pagar
os calos que tens nas mãos,
já grisalho, ao regressar,
deixaste os filhos e irmãos.

Chega o dia, hora-razão
que se vai fortificando,
de geração para geração
Camões de pé vai ficando!

[Por dentro do Mundo]

À janela do meu peito

À janela do meu peito
sinto o coração bater,
a bater com muito jeito
para aprender a viver.

Fez-se rainha do mundo
Lisboa muito moderna,
de pequena não tem fundo
mas sua história é eterna.

Ó noite das boas-noites
que eu desejava sem fim;
ó meu amor não te afoites
passar a noite sem mim.

Neste mundo vagabundo
quero um mundo sem rancor,
um mundo que, lá no fundo,
seja um mundo só de amor.

[Por dentro do Mundo]

MAR

Sinto-me um nauta perdido,
solitário marinheiro,
trago o mar no meu ouvido,
nos olhos o Mundo inteiro.

Sinto-me um nauta perdido,
dentro de mim, sem veleiro,
que não me sai do sentido
o mar, amor verdadeiro.

Como gaivota voando
por sobre mar, na distância
vejo o mar e eu, brincando
na praia da minha infância.

Mar de calma e tempestade,
mar de encanto e nostalgia,
mar de tristeza e saudade
vivo na minha poesia.

[Madrigal para a vida: poemas]

COMOÇÃO RURAL

Já não há quem queira dar
uma filha a um ganhão...
Senhor Pai, senhora mãe,
que grande desolação.

Já bati a sete portas
por mais de mil e uma vez;
Vá-se embora seu ganhão,
disseram com altivez…
A minha filha é prendada,
não é para qualquer tunante,
sabe ler, sabe escrever
e todo o seu consoante.
O que é que tem um ganhão?
Um azinho dum pau torto;
só vive das tristes ervas,
não tem onde cair morto.

Os olhos já não são olhos,
estão desfeitos em chorar,
porque a um pobre ganhão
já não há quem queira dar
nem mulher para dormir
nem a filha para mulher;
nem quem o ajude a vestir,

nem quem o ajude a morrer.
Ramos secos, estéreis flores,
pedras de arestas cortantes
perdidas num vendaval,
perdidas numa aflição…
Eu já não posso gritar;
Senhor Pai, senhora Mãe,
que grande desolação
nestes matagais com longes,
aonde os anjos se afundam
em humus e punição!

OS CINCO DEDOS DA NOITE

Os cinco dedos da noite,
Longos e misteriosos,
Roçam por mim, vagarosos,
Longamente...
E entorpecidos, errantes,
Passam por mim, soluçantes,
Soturnamente...

E no ar, dormente e vago,
Passam por mim, num afago,
Sinistramente passando,
Num arrepio...
E vão passando e deixando,
Soturnamente afagando,
A alma gelada de frio…

Feita de sombras nocturnas,
Vindas n-ao sei de que furnas,
Esta mão, com cinco dedos,
Que eu tenho medo de ler
E de entender…

E, humedecidos, parece
Que estes dedos se mplharam
Em uma névoa de pranto,
Que tristes olhos choraram
Numa hora de dor e prece,
De agonia e de quebranto,
Porque, ao passarem por mim,
Fica-me o rosto molhado
Com lágrimasque eu, assim,
Ainda não tinha chorado...

Que me querem estes dedos,
Longos e misteriosos,
Que passam silenciosos
por sobre mim, tristemente
E longamente?

Dentro da noite não falam
E não sabem responder;
Passam por mim e escrevem
Misteriosos segredos,
Que eu tenho medo de ler
de entender...

SUGESTÃO

Entro na igreja majestosa e calma,
erro na sombra sobre as arcarias.
Anda no ar silêncio, e a minha alma
toma a frieza das colunas frias...

Numa capela triste aonde espalma,
dourado lustre, chamas fugidias,
tocam-me o peito as sete duma palma,
e evocam-me de Cristo as agonias.

Começa o som do orgão, morno, errante,
o aroma do incenso penetrante
como as garras aduncas do tormento.

E já o desejo acre de esquecer,
ao longe o mundo eu só escutar e ver,
coração me nasce brando e lento...

Fonte: Poemas de Edmundo de Bettencourt (1964)

POEMA PARA O ZÉ SOLDADO

Não cuides que me esqueço.

A memória, -
está na aurícula direita
do coração.
Areia áurea, erecta,
que palpita de paixão
e a boca do poeta deixou escrita
nas linhas da palma da mão.

Não: eu não me esqueço.

E se quiseres eu lembro:

Corria o mês de Dezembro,
o mês do Mestre de Avis,
e tu, sereno e feliz,
surgiste num ecran de vidro
a dizeres que era de ferro
o nosso patriotismo.

Que é feito de ti, Zé Soldado,
Soldado de Portugal?

Era noite. E o Menino Jesus
faltava lá no Minho, esse Natal.
Parecia tão triste, a tua mãe.
E o teu pai, que nem bebia vinho?
também triste, tão sozinho,
nessa noite. E o Menino Jesus
faltava lá no Minho esse Natal.

E tu surgiste, no ecran de luz,
sorridente, alegre, apaixonado,
a dizer:
- que o pecado
era não lutar por Portugal.

Mas que é feito de ti, Zé Soldado?
Que é feito de ti, afinal?

Falaste com saudade e com orgulho.
E, no carinho dos teus,
não era essa verdade um sonho:
era um poema em rascunho
escrito pelo punho de Deus.

Eram dez horas. E depois da ceia
suspensa da tua voz, da tua imagem,
lá estava toda a aldeia
a dizer à boca-cheia:
este sim, tem coragem.

Quase que já não se ouviram
as palavras que disseste no final
(Eu não me esqueço...)

Disseste:
Adeus. Até ao meu regresso.

À tua espera
está suspenso Portugal.

FONTE DO TEMPO

Para nascer basta um momento
breve é o tempo para morrer
mas é tão longo o sofrimento
de nem sequer ter tempo p’ra sofrer.

Quantas milhas já calcorreei
à procura de quem me procurasse, meu amor
e nunca te encontrei
nos lábios que julguei, da tua face.

De súbito parei, e vi-me ao espelho.
Nem meu rosto afinal é o que procuro
estes olhos são já de um homem velho
e eu quero um olhar simples e puro.

Se te encontrar perdoa se fôr tarde
na rua ou no campo, em algum templo
que dirás deste modo de covarde
de não levar mais tempo para o tempo.

P’ra nascermos passaram dois mil anos
quantos amores houve antes de nós!
Somente para os nossos desenganos
estamos de repente longe e sós.

Basta um segundo para nascer.
Um tempo p’ra morrer súbito e breve, meu amor
pudesses tu dizer
não há vida ou morte que nos leve!

SAGRES

I
Ínfimo e gigante,
O Infante,
fita
o instante
Premonitório
Da onda que se alonga
No horizonte
Do promontório...

Seu instinto
Ainda nos obriga,
Por sermos os mais velhos
Dos mais novos,
A ter caravelas
Por conselhos
E a caminhar
À frentre dos outros povos.

De mãos juntas,
De mãos postas,
Somos nós que fazemos as perguntas,
Somos nós que daremos as respostas.

II
Por estarmos sós
É que sabemos
A quantos nós
De nós distamos.
Por nada termos
Mais desejamos
E com o que sofremos
Inventamos.

A quem nos despreza
Não desprezamos
Dizemos reza!
E rezamos
A quem nos quer mal
Nada dizemos.
Mas no silêncio que fazemos
Falamos de Portugal.
A quem nos entende
Servimos.

Ensinando que Portugal
Não se vende
E que a Pátria se aprende
Só quando a cumprimos.

À GERAÇÃO NOVA

Pudera este meu livro, bons amigos,
Alevantar-vos tanto o pensamento,
Que à Pátria desseis braço e novo alento
Para afinal pôr termo a seus castigos!

Mas se o cantar-vos eu feitos antigos
Não for mais do que vão cometimento,
Se houver de rendê-la, a trato lento,
Duros golpes de ferros inimigos,

Que - onde a mesquinha ergueu voz de grandeza
E os filhos já no exílio se dirão -
Ainda, por luso ser de natureza,

Ao lê-lo vós logreis ter a ilusão
De um punhado de terra portuguesa
Nele apertardes sempre em vossa Mão!

POEMA DA MALTA DAS NAUS

Dos teus, ó Porto, antigos horizontes
Apenas se descobrem os indícios
Porque até dos penhascos nos resquícios
Se estendem ruas, se sustentam pontes

Novos Cais, novas Praças, novas Fontes
Torres, Templos, Palácios, Frontespícios,
Te dão tanta extensão que os precipícios
Já são cidade e deixam de ser montes

Cada vez cresces mais: Oh sempre claro
Te assista o Céu, e tenha decretada
Duração que resista ao tempo avaro

E será imortal, se mensurada
A vires pelo nome de Preclaro
Teu fundador, segundo o Ilustre Almada

VACA DE FOGO

À porta
daquela igreja
vai um grande corropio
À volta
duma coisa velha
reina grande confusão
Os putos
já fogem dela
deita o fogo a rebentar
soltaram
uma vaca em chamas
com um homem a guiar

São voltas
Ai amor são voltas
sete voltas
são as voltas da maralha
Ai são voltas
Ai amor são voltas
são as voltas
são as voltas da canalha

No largo
daquela igreja
vive o ser tradicional
à volta
duma coisa velha
e não muda a condição

Rumo

É tempo, companheiro!
Caminhemos ...
Longe, a Terra chama por nós,
e ninguém resiste à voz
Da Terra ...

Nela,
O mesmo sol ardente nos queimou
a mesma lua triste nos acariciou,
e se tu és negro e eu sou branco,
a mesma Terra nos gerou!

Vamos, companheiro ...
É tempo!

Que o meu coração
se abra à mágoa das tuas mágoas
e ao prazer dos teus prazeres
Irmão
Que as minhas mãos brancas se estendam
para estreitar com amor
as tuas longas mãos negras ...
E o meu suor
se junte ao teu suor,
quando rasgarmos os trilhos
de um mundo melhor!

Vamos!
que outro oceano nos inflama.. .
Ouves?
É a Terra que nos chama ...
É tempo, companheiro!
Caminhemos ...

Fonte: Grupo do MSN - Post de Manuel Malafaia

Estação da cidade do Luso

Estação da cidade do Luso,
Quantos partiram quantos chegaram.
Naquela tarde fiquei confuso,
Muitos foram nunca mais voltaram.

Porta de entrada da cidade,
Orgulho de todos os Luenas,
Hoje o vento sopra a saudade,
Ficando esta tristeza apenas.

Domingo a alegria está no ar,
Há visita do comboio-mala,
Chega a locomotiva a fumegar,

Tinham avisado da Chicala,
A viagem está prestes a acabar,
A gare só posso recordá-la!

Fonte: Grupo MSN Luenas - post de Manuel Malafaia de 01Dez2003

Vamos decifrar ruínas

Vamos decifrar ruínas
Identificar os mortos
Denunciar os traidores
e atraiçoar a poesia
Envolta nas palavras
Que respiram ausência poder
Vamos dizer sem maiúsculas
o amor a vida e a morte.

Poesias completas / Alexandre O' Neill

Superação

Fechei-me dentro de muros
Onde onde o meu corpo não cabia
Contente de ser prisioneira
Do cárcere que eu transcendia.

E fui no vento que tudo
Tudo o que havia varria,
Contente de ser mais veloz
Que o vento que me impelia.

Fiquei suspensa dos ramos
Onde os meus cabelos prendiam
Contente de ser o destinatário
da árvore em que me fundia.

E dei-me como leito ás águas
Dos sonhos que me transcorriam
Contente de ser curso
Da água em que me esvaía.

Poesias completas / Natália correia

PARLAMENTO

Fanchete diz-me com a voz de prata
Mui perlada, gentil, voz de opereta:
- "Quero ir às cortes! - Fala o Alvim poeta,
Cuja eloquência d'oiro me arrebata."

Fomos lá. Antes fosse a uma regata!
Nunca vi num chinquilho o mais jarreta
Tanto verbo em tamancos, sem jaqueta,
- E tantos adjectivos sem gravata!

Fanchete sai de chofre toda irosa,
E disse-me abespinhada e cor-de-rosa:
- "Não mais virei aqui! Que cena reles!..."

Todos têm - repliquei - bota engraxada,
Marcam bem "cotillons", sabem taboada.
O que lhes falta pois?... Falta o "João Felix".

[Mefistófeles em Lisboa, 1907]

AS QUATRO PADROEIRAS

A primeira padroeira
Da minha raça altaneira
Foi Senhora da Vitória.
Rainha de Cavaleiros
Mãe doce de marinheiros
Dos nossos tempos de glória.

Em Alcácer negro dia
A Senhora da Agonia
Foi amparo em nosso mal.
Viúva de um Rei menino
Chorou connosco o destino
De ser escravo em Portugal.

Mas eis chegado Dezembro
Um belo dia que lembro
Ao povo do meu País.
Senhora da Conceição
Do teu manso coração
Nasceu uma flor-de-lis.

Hoje entre restos de flores
Reina a Senhora das Dores
Com sete espadas no peito.
Dos seus olhos, sete rios
Correm sobre os restos frios
Do meu Portugal desfeito.

BARDO

Screveste teu livro à beira-mágoa
por não ser tua a Hora que anunciaste.
Tiveste teus olhos quentes de água
por em ti não chegar Quem esperaste.

Que houveste tu,
da névoa e da saudade,
senão a mui grã coita
em que por vida andaste,
e a alterosa dor,
em ti sofrida,
da Pátria e do Povo
que cantaste?

Repousa amigo,
que mais que o incerto sopro
foste o divino anseio
humano feito,
e,
por haveres desejado e não tido,
deste ao tempo a Hora
em que por tua obra
se conheça o Eleito.

ALCÁCER-QUIBIR

Combate do Alto
contra os homens, os tempos e a história.
Na Cruz o trespasse
da morte e do mundo.
Carmim e ouro o céu azul fundo,
a Glória.

Onde foi a alma a Deus e o corpo à honra
cessa a profana e vil memória.
Não há fim,
senão prenúncio e promessa,
a que só Deus vê e dá:
Vitória.

DURIUS DULCIS

Depois que me senti envelhecer,
Passo horas e horas no meu lar,
De janela em janela, a espreitar
O breve mundo que me viu nascer.

Tem montes que não deixam de crescer,
Videiras que ninguém pode contar,
Oliveiras que vivem a rezar
E um rio que não para de correr.

Este pedaço de viril beleza,
Este painel de rica natureza
Irá comigo para o Além.

Sempre lhe quis e sempre o defendi,
Fui eu até que um dia o descobri...
Não o posso deixar a mais ninguém.

ARCO DOS VICE-REIS

[ao General Fernando Santos Costa]

Senhor Dom Vasco da Gama!
Pelo arco de granito onde tu estás
Passei reverente e abismado
Olhando o futuro do passado!

Lembrei-me do Poeta que te adivinhou
E não te viu,
Mas que te pressentiu
Em mármore talhado.

Júlio Simão te desenhou
E fez.
Ontem e hoje,
Abandonado,
E triste
No descampado,
És o Arco do Triunfo português.

[Não posso dizer adeus às armas]

EL-REI

Longe da luz
A que sonhou na infância
Em vez de predomínio e de conquista
Sonhos de amor
Entre visões de artista
Morreu de desconsolo e de distância.

Caminho aberto
À morte por essa ânsia
Que mais se exalta
Quanto mais contrista
De quem recorda o lar que nunca avista
E se consome em lúcida constância.

Porque acima do trono e da realeza
Havia o céu azul, a claridade
Da sua amada Terra Portuguesa
Havia a Pátria, e dizem, que impiedade
Dizem que não se morre de tristeza
Dizem que não se morre de saudade.

PORTUGAL QUE PARTIU

Portugal que partiu
já não pode regressar.
Quem foi além de si mesmo
nunca mais pode voltar.
Pátria antiga, permanecente,
desde sempre prometida.
Irmã de todas as pátrias
que hão-de ser o poder ser.
Não há mundo que nos chegue
nem índia que tenha sítio
na nossa esfera armilar.
Portugal sempre foi
mais do que o seu próprio lugar.

[Sphera, Spera, Sperança ]
Páginas do autor

JÁ NÃO SEI DIZER NATAL COMO SABIA

Já não sei dizer Natal como sabia,
quando meu Natal, em minha aldeia,
era um presépio de musgo e de areia
e um menino adorando o Deus menino.
A família inteira, sentada ao borralho,
fazendo horas para a missa do galo
nessa noite fria cujo fogo nos aquecia
e nos dava alento para o ano inteiro.
Vou reaprender a dizer Natal, este Natal,
para que possa voltar a ser
alma de pássaro criança,
nestas memórias de infância.
Para que Deus me dê
nova estrela de Belém
que nos leve ao mais além.
Mas serão precisos muitos desses dias
para que, mais uma vez, possa nascer,
em figura humana, o meu Messias.

[Sphera, Spera, Sperança]
Páginas sobre o autor - www.maltez.info

RECEITA

Tome-se um pouco de amor e de saudade
Um mar sem fim e uma Pátria antiga
Histórias de heroísmo e santidade
Uma viola, timbres de cantiga

Velas de barco e ventos de aventura
E no louvor a Deus e ao passado
Que trace em nós as rotas do futuro
Essa cantiga passa a ser o fado.

Junte-se um cheiro de pimenta e de canela
E o mistério dos mares a descobrir
Prenda-se aos olhos o brilho de uma estrela
Com rosa de oiro sempre a florir

Sirva-se depois mas com recolhimento
À luz de velas ou prôa de veleiro
Na voz que o canta há só um sentimento
Que no fado caiba Portugal inteiro.

DA SAUDADE E DO AMOR

Alerta estão. Alerta, tota a gente
Batalhou, num desvairo, até ao fim.
Cruzam-se as balas no ar - ninguém as sente:
Ferve a glória nos toques de clarim!

Às vagas, contra nós, continuamente,
Cresce a nova-moirama, infecta e ruim.
- Rapazes, fogo! Pelo Rei e em frente!
Eu já tombei, não pensem mais em mim...

A nossa fé, com sangue, não se esgota.
Quem não tem consciência da derrota,
Nunca é vencido, é sempre vencedor!

Sagrada a Geração que assim se bate!
Já viu romper a aurora do Resgate:
O Sol de Ourique não se torna a pôr!

[Obras do Conde de Monsaraz]

PÁTRIA NOVA

[À Academia Monárquica]

Passa El-Rei. Vai nos braços do seu povo.
O Reino é velho, mas o Rei é novo;
Por isso vai levado
Numa onda de ternura e de carinho,
Que aflui de cada lado,
Enchendo-lhe de bençãos o caminho.

Viva El-Rei! Viva El-Rei!
E El-Rei, sorrindo,
- Meu Deus, quando sorri como ele é lindo! -
Afaga a multidão que grita e o aclama;
E no ar, bocas em brasa, olhos em chama,
O ergue na certeza
De que ergue e aclama a Pátria portuguesa.

Viva El-rei! Viva a Pàtria! … A Pátria nova
Há-de surgir da Pátria velha. O povo,
Se a Pàtria é velha, vê que o Rei é novo,
É erguendo o Rei que a Pátria se renova.

Pombas, flores, damascos, colgaduras,
Tremem no espaço. Vai El-Rei passando …
Com ele passa o coração sonhando,
Liberto de amarguras.

Passa com ele a Pátria … Mocidade,
Erguei-o, aclamai-o;
Ele é formoso como o mês de Maio
E tem a vossa idade.

E gritai: Viva a Pátria! Viva El-Rei!
Que embora o mar em fúria se encapele,
Ameaçador, se El-Rei viver, sabei
Que a Pátria nova há-de viver com ele.

[Obras do Conde de Monsaraz]

ALMA RELIGIOSA

[Na parede de uma ermida rústica]

Há uma paz infinita
Na solidão das herdades …
Ó alma das coisas mortas!
Eu sinto que me confortas
Nos campos, quando me invades,

Porque todo me penetras
De ignoradas sugestões,
De mistérios ignorados,
Que evocam os meus cuidados
À flor das minhas canções.

À tona das minhas queixas,
Levada de mundo em fora,
A minha amargura espanta,
Pelas tristezas que canta
E as alegrias que chora.

Surgem misérias e dores
De entre a charneca maninha,
E escuto as mágoas doridas
Que irrompem de tantas vidas,
Muito mais tristes que a minha.

São infelizes que choram
Sem terem consolação;
Criaturas desgraçadas,
Que vivem com sete espadas
Cravadas no coração;

Almas sem fé, almas cegas,
Aos tropeções pelo mundo,
Barcos sem remos nem velas,
Que açoitados das procelas
Naufragam no mar profundo.

Que é certo haver neste vale
De lágrimas muita gente
Que vai andando, sem tino,
À mercê do seu destino,
Da sua sorte inclemente,

E deixa-se ir no abandono
De forças que não reagem,
Como no inferno de Dante,
Por entre o horror palpitante
Duma trágica paisagem.

Vendo as reses tresmalhadas
Nossa Senhora da Guia
Por entre as reses caminha
Procurando, coitadinha,
Toda a noite e todo o dia

Guardá-las no santo aprisco,
Das durezas e amarguras
Do mundo vil, e as protervas
Fogem-lhe em busca das ervas
Salgadas, das pedras duras...

Também no mundo padeço;
Mas terei a recompensa
Num outro mundo melhor,
Se nunca deixar de pôr
Em Deus os olhos da crença.

E à hora da minha morte
Hei-de ver, de par em par,
Num resplendor que idealizo,
As portas do paraíso
Abertas para eu entrar.

Entretanto, irei na terra
Bebendo as santas verdades
O simples mel das colmeias,
Na doce paz das aldeias,
Na solidão das herdades...

[Obras do Conde de Monsaraz]

CRÓNICA

Eram barcos e barcos que largavam
Fez-se dessa matéria a nossa vida
Marujos e soldados que embarcavam
E gente que chorava à despedida

Ficámos sempre ou quase ou por um triz
Correndo atrás das sombras inseguras
Sempre a sonhar com índias e brasis
E a descobrir as próprias desventuras

Memória avermelhada dos corais
Com sangue e sofrimento amalgamado
Se rasga escuridões intemporais
Traz-nos também nas algas enredados

E ganhou-se e perdeu-se a navegar
Por má fortuna e vento repentino
E o tempo foi passando devagar
Tão devagar nas rodas do destino

Que ou nós nos encontramos ou então
Ficamos uma vez mais à deriva
Neste canto que é nosso próprio chão
Sem que o canto sequer nos sobreviva.

APARIÇÃO

Pelas espadas que tu tens no peito,
Pelos teus olhos roxos de chorar,
Pelo manto que trazes de astros feito,
Por esse modo tão lindo de andar,

Por essa graça e esse suave jeito,
Pelo sorriso (que é de sol e luar),
Por te ouvir assim sobre o meu leito,
Por essa voz baixinho: "Há de sarar..."

Por tantas bênçãos que eu sinto n’alma,
Quando chegando vens, assim tão calma,
Pela cinta que trazes, cor dos céus:

Adivinhei teu nome, Aparição !
Pois consultando manso o coração
Senti dizer em mim: "A Mãe de Deus!"

SOBRE UM MOTE DA SENHORA INFANTA DONA MARIA DE PORTUGAL

Eu passo as horas e os dias
Contando os meos desenganos,
E entre noites de agonias,
Se me vâo mezes e annos!
E olhando as magoas da alma,
Comigo, constantemente,
Sem uns minutos de calma,
- Já não posso ser contente.

Em olhos côr de esperança,
Puz minha esperança outrora,
Sem lembrar que tudo cança,
Que ha noite depois da aurora.
E eu que nelles esperei,
Pondo nelles minha vida,
E em sua luz me tentei,
- Tenho a esperança perdida.

Outros soffrem como eu,
Mas isso não me acarinha,
Que o meo amor não é meo,
Nem a minha amada é minha!
Que me importa o mal alheio,
A desgraça que outrem sente,
Se por ser de males cheio,
- Ando perdido entre a gente?

E assim neste desespero,
Nesta amargura em que vou,
Nem já sei bem o que quero,
Nem já sei bem o que sou!
Captivo dos olhos d' Ella,
NElla presa a alma dorida
Pois que tive de perdel-a,
- Nem morro nem tenho vida!

[O Livro das Chymeras, 1922]

PARA QUÊ?

Revelar um segredo - para quê?
Para quê decifrar o enygma extranho
Que escondido em meos labios eu contenho,
Que só eu sei, e que ninguem mais vê?

Dizer o que a minha alma escuta e crê,
Este sonho que em flôr na alma tenho,
Sonho para onde vou, e donde venho,
dizel-o e revelal-o, - para quê?

E se o meo coração vive isolado,
Abandonado coração magoado,
Neste tumulto de um viver sem fé,

Que importa aos outros o que sonha e sente?
E se elle sonha mysteriozamente,
Decifrar-lhe o mysterio - para quê?

[O Livro das Chymeras, 1922]

NAVIO FEITICEIRO

Pelas tardes quando descem, sobre os longes do alto-mar
A tristeza e a saudade feitas névoas a descer.
Corro à praia desolada, na esperança de avistar
Um navio feiticeiro que me venha socorrer.

Olho os longes esfumados que se perdem pelo ar
Interrogo no horizonte qualquer nuvem a nascer.
Só as ondas inquietas, só as ondas a penar
Que não sabem pobres delas o que hão-de responder.

E prometo-me a mim próprio nunca mais voltar à praia
Pelas tardes a aguardar o navio feiticeiro
Que eu sonhara que viria para mim p.ra me salvar.

Mas se vejo que nas ondas lá por longe a luz desmaia
Corro à praia interrogando o mistério, o nevoeiro
À espera de um navio, que uma tarde, há-de chegar.

Ó Mocidade, de culpas inocentes

Ó Mocidade, de culpas inocentes,
Mocidade que passas, transviada
Na esteira da bandeira hoje existente
Que simboliza a Pátria atraiçoada.

Ó Mocidade, ó Mocidade ardente,
Alto! faz alto! É outra a tua estrada...
Outro o rumo do límpido oriente
Pra onde deves ser encaminhada.

Ouve as minhas palavras! E que a glória
Dos feitos imortais da nossa História
Teus passos guie, em marcha triunfal!

A República exiu duma traição,
Pra sujeitar a indigna escravidão
A alma senhoril de Portugal!

HINO À RAZÃO

Razão, irmã do Amor e da Justiça,
Mais uma vez escuta a minha prece.
É a voz d'um coração que te apetece,
D'uma alma livre, só a ti submissa.

Por ti, é que a poeira movediça
De astros e sóis e mundos permanece;
E é por ti que a virtude prevalece,
E a flor do heroísmo medra e viça.

Por ti, na arena trágica, as nações
Buscam a liberdade, entre clarões;
E os que olham o futuro e cismam, mudos,

Por ti, podem sofrer e não se abatem,
Mãe de filhos robustos que combatem
Tendo o teu nome escrito em seus escudos!

A OLIVENÇA, A PERDIDA

Fiel ao sangue, nossa irmã germana,
chora Olivença as suas horas más
junto do rio que tornou atrás,
quando soou a trompa castelhana.

Ó Casa de Antre Tejo-e-Guadiana,
lembra-te dela que entre ferros jaz!
Não a dobrou a guerra nem a paz,
- fiel ao sangue, o sangue a ti a irmana!

E todo aquele em quem ainda viva
o ardor da Raça e a voz que nele anseia,
se for p'ra além da raia alguma vez,

é Olivença, nossa irmã cativa
lá onde com surpresa a gente alheia
oiça dizer adeus em português!

[Epopeia da Planície]

SONETO DA VISITAÇÃO

Vinde, adorai! Criados e parentes,
Tenho o presépio em nossa casa armado,
Vinde adorar o meu Menino amado,
Honrá-lo com carinhos, com presentes!

Muito quietinho, nas roupinhas quentes,
O infante dorme, dorme aconchegado.
É lindo, pois não é? O meu morgado?
Que tu, Senhor, em graça mo aviventes!

E, de joelhos, com um ar de boda,
Adora e pasma-se a assistência toda,
Como diante de um festivo altar.

“Que perfeição! Que enlevo de criança!”
— E pedem num louvor que não descansa
Que Deus nos dê saúde p’ra o criar!

INVOCAÇÃO

Ó Terra de Antre Tejo e Guadiana,
onde há contrabandistas e malteses,
ó Terra que és fronteira à castelhana
e a tens metido em ordem tantas vezes!

Terra das claras vilas com cegonhas
no alto dos mirantes sobre o imenso!
(Paisagens religiosas e tristonhas
aonde o rosmaninho faz de incenso…)

(Ruinas penduradas no Distante
com atitudes calmas de ermitério…).
- Ó Terra, em cujo chão febricitante
palpita um formidável cemitério!

Terra das fortalezas truculentas,
minha adiantada-mor de Portugal,
- ó Terra que o abasteces, que o sustentas,
que és um celeiro enorme, sem igual!

Ó Terra que da espada aventureira
tiraste ao vir das pazes a charrua!
(O arado quando chega a sementeira,
como ele empeça em tanta ossada nua!)

Terra de coração em brasa viva,
queimando no furor canicular!
Terra de quem a gente se cativa,
se a água das nascentes lhe provar!

Terra de natural dormente e langue,
onde padecem lobis-homens, bruxas…
- (Voz do Longínquo, ó tentação do Sangue,
não sei em que ânsias doidas me estrebuchas!)

Ó Terra estranha que a perder nos deitas
com endemoninhada beberagem!
Ó Terra da lavoira, das colheitas,
das feiras e arraiais, - da ciganagem!

Terra de San-João de Deus, ó Terra
onde a Rainha-Santa quis morrer!
- (À flor dos horizontes paira e erra
uma saudade líquida a escorrer…)

Terra de meus Avós, dos bons Maiores,
aonde a minha Árvore descansa!
Terra regada com os seus suores,
aonde eu vejo a sua semelhança!

A sua semelhança está comigo,
em mim a cada hora se renova,
ó Terra que me foste berço amigo,
ó Terra que serás a minha cova!

Postas as mãos, em oração ardente,
ó Terra de Crisfal e Bernardim,
Peço-te a bênção comovidamente
- que a tua bênção desça sobre mim!

O Rei é livre e livres somos nós

Eles o afirmam com aspecto grave,
- eles o afirmam com profundo voz.
Um coro imenso reboou pla nave:
-'O Rei é livre e livres somos nós!'

- 'O Rei é livre!' E o grito de Almacave
não foi somente o grito dos Avós.
Por mais que o tempo em nossas veias cave,
nunca desata esses antigos nós!

'O Rei é livre!' E com seu elmo erguido,
é Portugal tornado corpo e alma
na sucessão do tempo indefinido!

O sangue o diz! E o sangue não se engana!
Que ver o rei na sua força calma
é ver a Pátria com figura humana!

AGUARELA

Naquelas ruas por onde
a cidade mais se esconde
como que envolve os encantos
dos dias de romaria
das Senhoras da Agonia
que secam os nossos prantos.

E nas flores d’uma sacada
na roupa branca lavada
é que a alma se nos prende,
e num simples candeeiro
é a luz do mundo inteiro
que em nossa alma se acende.

Uma cidade sem tempo
pintada como um lamento
sobre o mar de uma janela
desabrochou em amores,
ficou guardada nas cores
A cantar numa aguarela.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Hino da Mocidade Portuguesa

Lá vamos cantando e rindo
Levados levados sim
Pela voz do som tremendo
Das tubas clamor sem fim

Lá vamos que o sonho é lindo
Torres e torres erguendo
Clarões, clareiras abrindo
Alva de luz imortal
Que roxas névoas despedaçam
Doiram os céus de Portugal

Querer querer e lá vamos
Tronco em flor estende os ramos
À mocidade que passa

Cale-se a voz que turbada
já de si mesmo, se espanta.
Cesse dos ventos, a infâmia
ante a clara madrugada,
em nossas almas nascida.

E por ti, ó Lusitânia,
corpo de Amor, Terra Santa.
Pátria, serás celebrada
e por nós, serás erguida.
Erguida ao alto da Vida.
Lá vamos, cantando e rindo

Canto de Natal

O nosso menino
Nasceu em Belém.
Nasceu tão-somente
Para querer bem.

Nasceu sobre as palhas
O nosso menino.
Mas a mãe já sabia
Que ele era divino.

Vem para sofrer
A morte na cruz,
O nosso menino.
Seu nome é Jesus

Por nós ele aceita
O humano destino :
Louvemos a glória
De Jesus menino.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

CAMISA VELHA

Mãe! Vesti uma camisa nova
da velha camisa que vestiu meu Pai
Dizem que a luta é ali na rua.
- Vou ou não vou?!
- Filho, vai!

Dizem para eu ter cautela,
que o inimigo é feroz e desumano
e que foi ele que matou meu Pai.
- Vou ou não vou?!
- Filho, vai!

Ameaçam de punhos fechados
ou empunham foices e martelos
e ai daquele que nas mãos lhes cai.
- Vou ou não vou?!
- Filho, vai!

Vai! Com a camisa velha
que antes de ti a vestiu teu Pai
e com ela vestida, se foi a combater
vai! Que as últimas palavras,
camisa vestida, foram para ti:
- Diz ao nosso filho que saiba morrer!

Partiu. Partiu e nunca mais voltou
Para estar presente na alvorada que nascia:
morreu por aquilo que lutou,
por que nascesse um novo dia!

O novo dia em que tu vestiste
a camisa nova que foi de teu Pai.
- Não tenhas medo.
A teu lado vai
a presença do exemplo
que te deu teu Pai:
-Meu filho! Veste essa camisa
e vai!

INSCRIÇÃO

Entre poemas sem mote
edificara casas e reinos
que oceanos e mares avisara
de longas navegações,
e entre essa gente outros versos armara
de remoto fogo santo
ardendo mais além de outra cabana;
entre perigos e terras
de esforçadas acções alguns poemas juntara,
e de tão secreta trama
armara de poesia o seu programa.

[Portuguesimentos]

GANDEMBEL, NATAL 68

Esta linguagem amara
do silêncio mordendo
o coração; o voo leve
da noite, e a navalha
da saudade cortando
a memória - como se
o parco murmúrio
do capim viesse comer
a atenção das armas;
ou como se o tempo
parado no abrigo,
por todos os lados
repartisse a lembrança
de nós próprios.
Mordemos o coração,
e vem o mover leve do silêncio
que nos vai colhendo;
murmuramos o SEU nome.

[O Corpo da Pátria - Antologia Poética da Guerra do Ultramar]

A IGREJA DE MUCABA

Igreja de Mucaba - bastião
de Portugal à beira do abismo
derradeiro reduto da Nação
num mar de banditismo.

Na fronteira altiva, imaculada,
ao alto, a cruz de Cristo. Bem cimeira
tremula, heróica, verde e encarnada,
da Pátria, a Bandeira.

A gente de Mucaba, ali reunida
aguarda decidida, audaz e estóica,
o momento cruel da arremetida
à sua vida heróica.
A hora má chegou. Hora sombria.

A noite cai; a névoa está cerrada.
Estrondos, gritos, ais, fuzilaria.
e um ulular satânico de orgia
da canalha alucinada.

A igreja é um fortim. Cada janela
é bastião de luta heróica e brava.
Em mar de fogo avulta a cidadela:
a Igreja de Mucaba.

Horas febris decorrem, lentamente,
em desespero enérgico, vibrante.
o cerco, cada vez mais envolvente,
instante após instante.
P-19 . No ar uma mensagem:
- "aqui fala Mucaba,
luta-se corpo a corpo, com coragem,
a munição acaba.
O socorro pedido, sem chegar.
Nestas horas febris, cruéis, incalmas,
vamos morrendo, aos poucos, devagar.
Irmãos de Portugal, mandai rezar,
encomendai a Deus as nossas almas!".

Calou-se a voz no éter lá distante.
a angústia em cada peito se desola;
Vibram de angústia os corações de Angola!
Angola inteira escutou
este apelo lancinante.
E nesse cruel instante
Angola inteira ajoelhou,
Angola inteira rezou.

Rezou pela Pátria amortalhada,
pelos homens de génio intemerato
que de alma forte e de arma engatilhada,
ao sol, à chuva, aos ventos da nortada
são vigias do mato.

Ó Povo Português! Ó alma forte,
que não vergas ao horror cruel e duro!
Sabes erguer mais alto do que a Morte
luminoso futuro!

Ergueste a Pátria amada ao apogeu
da Honra e da Glória.
Escreveste nos mármores da História
mais um feito mortal que te faltava,
mostrando ao mundo inteiro, à Terra e ao Céu
a Igreja de Mucaba.

Assim tombam Heróis!
Com a mesma impassível dignidade
em que vemos rolar astros e sóis
no infinito azul da eternidade.

Vibrou no éter uma voz distante:
"Mucaba heróica, eterna, resistia".

Angola inteira, Angola palpitante
chorava de alegria.
Mucaba é um padrão. Outros iguais
nascem por esses matos.

Com nobreza,
Angola vive as horas imortais
criadas pelos rijos Viriatos
da Raça Portuguesa.

A Igreja de Mucaba é reduto sagrado,
altivo Monumento Nacional:
Mansão de Heróis, de peito nobre e ousado,
dignos de Aljubarrota e de Salado!


[Poemas do Tempo Disperso, 1962]

Glosas

Eu comecei com jeitinho
A compor o ramalhete;
Primeiro foi com azeite
E depois foi com cuspinho.
No começo era estreitinho,
Custava o pincel a entrar...
Começa a dona a gritar:
"Não me parta a tigelinha",
Mas que coisa engraçadinha,
Fui uma noite pintar...

Comecei devagarinho...
Quando fui ao outro mundo
Meti o pincel ao fundo
E parti o canequinho.
Até mesmo o pincelinho
Veio de lá todo pintado,
Eu já estava desmaiado,
Perdendo as cores do rosto;
Mas pintei com muito gosto
Com um caneco emprestado.

Vem a mãe toda zangada:
"Tem que pagar-me a vasilha...
No caneco da minha filha
Não pinta você mais nada...
...Lá isto, a moça deitada,
Sem poder levantar-se,
Com tanta tinta a pingar
No lugar da rachadela!..."
"Diga lá, que desculpe ela,
Eu pintei sem reparar!"...

Pra que vejam que sou pintor
E meu pincel nunca deixo;
Pra que saibam que o Aleixo
Não é somente cantor...
Também pinto qualquer flor
E faço qualquer bordado;
Mas aqui o ano passado,
Perdi, de pintar, o tino...
Fui pintar, fiz um menino,
Pintei e fiquei pintado.

Fonte: In Sociedade Histórica da Independência de Portugal

Quadras

Fui polícia, fui soldado,
Estive fora da Nação,
vendo jogo, guardo gado,
Só me falta ser ladrão!...

Vejo a arte definida
na forma de escrever
o bem ou o mal que a vida
nos faz gozar ou sofrer

Traz-me num desassosego
o alívio à minha cruz
ando tal qual o morcego
ao deparar com a luz

Ó quem me dera, sozinho
e em quatro vezes somente
cantar ao mundo inteirinho
a mágoa de toda a gente

Desprezo o que eles preferem
porque quero ser sincero
e quero o que eles não querem
Por não quererem o que eu quero

Não sei o que de mim pensam
quando me vêem chorar
mas quero que se convençam
que a dor também faz cantar

Para que não te iludas
com amigos pensa nisto:
foi com um beijo que Judas
levou à Cruz Jesus Cristo

Negociando viveste
tens dinheiro e excelência
são coisas que recebeste
a troco da consciência

****
Sou humilde, sou modesto;
Mas, entre gente ilustrada,
Talvez me digam que eu presto,
Porque não presto p’ra nada.

Eu não tenho vistas largas,
Nem grande sabedoria,
Mas dão-me as horas amargas
Lições de filosofia.

Tu não tens valor nenhum,
Andas debaixo dos pés,
Até que apareça algum
Doutor que diga quem és.

À guerra não ligues meia,
Porque alguns grandes da terra,
Vendo a guerra em terra alheia,
Não querem que acabe a guerra.

Depois de tanta desordem,
Depois de tam dura prova,
Deve vir a nova ordem,
Se vier a ordem nova.

Eu não sei porque razão
Certos homens, a meu ver,
Quanto mais pequenos são
Maiores querem parecer.

Vemos gente bem vestida,
No aspecto desassombrada;
São tudo ilusões da vida,
Tudo é miséria dourada.

Os novos que se envaidecem
P’lo muito que querem ser
São frutos bons que apodrecem
Mal começam a nascer.

Fonte: in Sociedade Histórica da Independência de Portugal

DISCURSO

O homem não nasce livre,
Torna-se livre, é diferente.

Abandoná-lo à sua sorte,
É um crime, - não convém.

O Estado, a Escola, a Família,
São necessários à vida
Do que souber ser alguém.

Não partir da liberdade,
Mas caminhar para ela.

Só assim o homem de hoje
Pode vir a merecê-la.

[Baionetas da Morte]

LEGENDA

Óh Pátria mil vezes Santa,
- Meu Portugal, minha terra,
Onde vivo e onde nasci!

Na tua História me perco,
E nela tudo aprendi.

Mesmo que fosses pequena
E eu te visse pobre ou nua,
- Ninguém ama a sua Pátria por ser grande,
Mas sim por ser sua!

[Baionetas da Morte]

PROCISSÃO - Procissão em Honra do Senhor Jesus das Necessidades

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passando a Procissão.

Mesmo na frente, marchando a compasso,
De fardas novas, vem o solidó.
Quando o regente lhe acena com o braço,
Logo o trombone faz popó, popó.

Olha os bombeiros, tão bem alinhados!
Que se houver fogo vai tudo num fole.
Trazem ao ombro brilhantes machados,
E os capacetes rebrilham ao sol.

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passando a procissão.

Olha os irmãos da nossa confraria!
Muito solenes nas opas vermelhas!
Ninguém supôs que nesta aldeia havia
Tantos bigodes e tais sobrancelhas!

E que bonitos que vão os anjinhos!
Com que cuidado os vestiram em casa!
Um deles leva a coroa de espinhos.
E o mais pequeno perdeu uma asa!

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Vai passando a Procissão.

Pelas janelas, as mães e as filhas,
As colchas ricas, formando troféu.
E os lindos rostos, por trás das mantilhas,
Parecem anjos que vieram do Céu!

Com o calor, o Prior aflito.
E o povo ajoelha ao passar o andor.
Não há na aldeia nada mais bonito
Que estes passeios de Nosso Senhor!

Tocam os sinos na torre da igreja,
Há rosmaninho e alecrim pelo chão.
Na nossa aldeia que Deus a proteja!
Já passou a Procissão.

Fonte: In Sociedade Histórica da Independência de Portugal
http://form.ship.pt/

Nota Pessoal
Imaginem este poema declamado pelo João Villaret...
Rui Moio

Je ne regrette rien de Edith Piaf

video

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Um dia (com voz de José Ramos)



Fonte: Blogue Random Precision - post de Luís Rodrigues de 21Nov2007

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

A Cigarra e a Formiga





Tendo a cigarra, em cantigas,
Folgado todo o verão,
Achou-se em penúria extrema,
Na tormentosa estação.
Não lhe restando migalha
Que trincasse, a tagarela
Foi valer-se da formiga,
Que morava perto dela.

– Amiga – diz a cigarra–
Prometo, à fé de animal,
Pagar-vos, antes de Agosto,
Os juros e o principal.

A formiga nunca empresta,
Nunca dá; por isso, junta.

– No verão, em que lidavas?
– À pedinte, ela pergunta.

Responde a outra: – Eu cantava
Noite e dia, a toda a hora.

– Oh! Bravo! – torna a formiga
– Cantavas? Pois dança agora!

La Fontaine (1621-1695)

domingo, 18 de novembro de 2007

Partindo-se

Senhora, partem tão tristes
Meus olhos, por vós, meu bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém.


Tão tristes, tão saudosos,
Tão doentes da partida,
Tão cansados, tão chorosos,
Da morte mais desejosos
Cem mil vezes que da vida.
Partem tão tristes os tristes,
Tão fora de esperar bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Angola é Nossa

Angola é nossa
Angola é nossa, Angola é nossa
Angola é nossa

Ó povo heróico Português
Num esforço estoico outra vez
Tens de lutar, vencer, esmagar
A vil traição
P'ra triunfar
Valor te dá o teres razão

Angola é nossa gritarei
É carne, é sangue da nossa grei
Sem hesitar, p'ra defender
É pelejar até vencer

Aos invasores
Castigar com destemor
Ancestral
Deter, destroçar
Vencer, escorraçar
E gritar

Angola é nossa,
Angola é nossa, é nossa
É nossa
Angola é Portugaaaaal!

Cerca de um mês após os primeiros embarques de tropas para Angola a emissora Nacional (EN) emitia «Angola é Nossa», interpretada pelo Coro e Orquestra da Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (F.N.A.T.)

sábado, 3 de novembro de 2007

De tarde

Naquele piquenique de burguesas
Houve uma coisa simplesmente bela
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão-de-bico
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, inda o Sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos,
E pão-de-ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro, a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da marenda
O ramalhete rubro das papoulas!

sábado, 27 de outubro de 2007

Cara al Sol




"Cara al sol con la camisa nueva
que tú bordaste en rojo ayer,
me hallará la muerte si me lleva
y no te vuelvo a ver.

Formaré junto a mis compañeros
que hacen guardia sobre los luceros,
impasible el ademán,
y están presentes en nuestro afán.

Si te dicen que caí,
me fui al puesto que tengo allí.

Volverán banderas victoriosas
al paso alegre de la paz
y traerán prendidas cinco rosas:
las flechas de mi haz.

Volverá a reír la primavera,
que por cielo, tierra y mar se espera.

Arriba escuadras a vencer
que en España empieza a amanecer."

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Dez de Junho

"Os homens que caíram em combate,
E que o poder político ignora,
Verão, um dia, ser chegada a hora
De os sinos os saudarem a rebate.
Os nomes que os mais novos desconhecem,
Calados, por vergonha ou cobardia,
Serão, por fim, cantados algum dia,
Co' as honras e respeito que merecem.

Será o "Dez de Junho" restaurado
Em festa, que honrará toda a Nação,
Lembrada, com orgulho, do passado.

Cantar-se-á então, por todo o lado,
Num misto de saudade e gratidão,
O Homem que morreu por ser soldado."

Fonte: In Blogue Orgulhosamente Só

sábado, 6 de outubro de 2007

A História Lusa

As goesas despertam
Os fundos subterrâneos
Imersos naquele sonho antigo
Do eixo da história lusa.

As goesas sugerem
Rendas verdes dos tamarineiros,
Nos doze cruzeiros da via sacra.

Os gestos das goesas
Lembram movimentos de coqueiros,
Ondulando velas latinas
Nos contornos secos do vento.

O mistério e o feitiço,
Que flutuam no meu olhar,
Tornaram cativas as armas
De Albuquerques, de Castros e de Gamas.

Os labirintos da história
Navegam a enxurrada das monções,
Chegam ás margens do Índico
Fermentam ainda a expansão.

Sê tu

Nas asas da Samotrácia,
Sobe a maré alta
E corta todos os ares
Em todas as direcções.
Se te procurares
Encontrar-te-ás.
Na forma autêntica
Da coexistência
No vector do futuro.
O passado não é o teu tempo,
O presente esse também não.
Segura o amanhã,
Faz dele um aqui e agora.
Sê tu...
E não todos e nenhum.

Mensageiro gentil

Mensageiro gentil
Tão cedo partes
Desta Roma do Oriente.

Sete mil léguas de mar,
Sete mil léguas de tormentas,
Sete mil léguas de recados
Que nunca mais serão chegados.

Mensageiro gentil,
Na histórica Diu,
Suspende o olhar
Para além do mar.
Na estrela cadente
Meu pensamento
Vai procurar.

Escuta, sou seu

Se ouvires o eco
Responder aos teus pensamentos,
Não perguntes quem é,
Escura, sou eu.

Nas noites cálidas,
Quando ouvires o silêncio,
Escuta, serei eu a dizer-te...

Quando o sibilar das balas
Rasgarem o ar,
Repara, eu estou contigo.

Quando na floresta
Sentires as sombras da noite,
O rastejar das serpentes,
Os estalidos das folhas secas,
O piar das aves nocturnas,
Repara, eu estou contigo.

Oh! Precisarei eternidades
Para vestir as galas
E bordar os sonhos
O dia do teu regresso.

Agora, só posso dizer
Estás lá em qualquer parte
E eu sinto-te.

Eu espero-te

Sei que não virás,
Sei que nada dirás,
Mas eu espero-te.

Sei que passaste
Antes de eu chegar,
Mas eu espero-te.

Sei que outros antes de mim
Te esperaram
E não te encontraram,
Mas eu espero-te.

E tu não virás,
E algo de mim terá partido,
Mas eu espero-te.

Sou mulher

Ao redor do Sol,
A terra deu muitas voltas.
Pus-me ao leme da barca.
Não sou timoneira, mas sou mulher.

Há tormenta, há escolhos,
Controversos são so ventos,
Conseguirei amainá-los
Não sou timoneira, mas sou mulher.

Sopram ventos do Oriente
Dão tréguas os do Ocidente
Não tartadarei a acalmá-los
Não sou timoneira, mas sou mulher.

Será fantasia de Prometeu?
Ou de Nero uma loucura?
Apagarei o fogo da barca
Não sou timoneira, mas sou mulher.

Serão cheias? Será dilúvio?
Há que salvar a barca
Pus-me ao leme
Não sou timoneira, mas sou mulher.

Recados ao Sul

Enfuna as velas timoneiro,
E leva as minhas proas,
As mais belas da minha fantasia.
Engalona a minha frota,
Que é tempo de partir,
Norte acima até ás brumas,
Às brumas das decisões,
Com esperanças em popa,
Leva as velas bordadas
Com segredos do vento
E murmúrios de meresia.
O leme já porfia
Em suster o fio de ariana
Nos labirintos da vida.

Entrega recados do Sul,
Nas margens do Douro,
E no abandono da âncora
Segura minha coragem de continuar.

Mãos plenas de ser

Mãos que tocam.
Mãos que vêem.
Mãos que pensam.
Mãos que decidem.
Mãos que cortam.
Mãos que exterminam.
Mãos que falam.
Mãos que observam.
Mãos que prendem.
Mãos que afagam.
Mãos que enxugam.
Lagrimas secas fugidias.
Mãos que semeiam
Flores no ar
Mãos plenas de ser.

Esperar

Quantas! Quantas horas lentas!
Passadas, vividas, perdidas,
Agarradas a uma esperança
Que continuam a esperar
A possiblidade duma partida
Esperada, adiada, arrastada.

Ali a equilibrar
Todo o peso dum dia,
Um dia de vazios,
Magoados, dilacerados
Na esprança de esperar
A possibilidade duma partida
Que não acaba de chegar.

Ao lado do asfalto,
Mesmo ali no empedrado,
No meio da multidão.
Na solidão das horas que passam,
Vi a vida passar
Num drama de esperar
De mais um dia que passa.

Desencontro com a vida

Numa só bonina perdi jardins,
Numa só centelha perdi sóis,
Num instante perdi o mundo,
Não encontrei nada errado,
Cheguei tarde? Cheguei cedo? Não sei,
Talvez me tenha desencontrado da vida.

Aqui, além, outrora,
Chego tarde,
Hoje, ontem, e sabe-se lá
Se amanhã também
Chegarei tarde.
Não encontrei nada errado,
Estava tudo certo,
Cheguei tarde? Cheguei cedo? Não sei,
Talvez me tenha desencontrado da vida.

Projectos de ser

Sete poemas
Sete dúvidas
Sete apostas
Na poesia.

Sete ceetezas
Sete esferas
Sete buracos
Nos céus.

Sete sentidos
Sete signos
Sete metáforas
Em mim.

Minha angústia
È não ser livre
Quando escolho
E sigo.

Minha rosa-dos-ventos
Indica paragens distantes,,
Minhas naus estão pesadas.
Serão projectos de ser?
Desejos de completude?
Pesa muito a liberdade
E o destino de ser livre
Minha morte não será ponto final.

As origens

Não sou do Norte,
Não sou do Sul,
Minhas raízes
Pu-las ao vento.

Eu sou do país
Para onde as caravelas
Partiram e não voltaram.
Para trás deixaram,
No cais, nuas as colunas
A olhar para o céu.

À luz da Lua desgrenhada,
As caravelas suas proas
Foram mergulhar
Nas ondas de ternura
De rainhas da noite.

O começo

O ventre da minha mãe
Houvera já arredondado
Por três vezes,
E dentro dele
Despontavam sóis,
Que iluminavam
A sua existência.

Depois em grito exangue,
Ardendo na tormenta,
Esvaziava a maré
Até à preguiça das autoras.

Mas para trás
Já ficava
O entusiasmo do querer.
Para diante,
Seria apenas
O estoicismo do dever.

E nestas marés baixas
Dos sonhos a partirem,
Deu à praia,
Despida de ternunra,
Esvaziada de carinho,
Mais uma existência.
A partir daí
A viver a vida

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Os meninos do Huambo

Com fios feitos de lágrimas passadas
Os meninos do Huambo fazem alegria
Constroem sonhos com os mais velhos de mãos dadas
E no céu descobrem estrelas de magia

Com os lábios de dizer nova poesia
Soletram as estrelas como letras
E vão juntando no céu como pedrinhas
Estrelas letras para fazer novas palavras

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Com os sorrisos mais lindos do planalto
Fazem continhas engraçadas de somar
Somam beijos com flores e com suor
E subtraem manhã cedo por luar

Dividem a chuva miudinha pelo milho
Multiplicam o vento pelo mar
Soltam ao céu as estrelas já descritas
Constelações que brilham sempre sem parar

Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade

Palavras sempre novas, sempre novas
Palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

Assim contentes à voltinha da fogueira
Juntam palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

poema de Manuel Rui Monteiro
musicado por Paulo de Carvalho

domingo, 9 de setembro de 2007

A Salazar

"Había algo de monje en su talante,
blanca la mano sobre el libro abierto,
la soledad fecunda del desierto,
camastro pobre, ayuno, verbo orante.
Algo de bravo caballero andante
que en sus sueños vive y a la vez despierto,
algo de asceta con el gesto yerto
o la sonrisa apenas anhelante.
No discute la patria,
la defiendede la usura sin rostros humanados,
cuando las hoces siegan los sembrados,
y al trigo blanco que del cáliz pende.
Para sí nada quiere, porque entiendea
poder como oficio de abnegados.
El cetro con la cruz van hermanados:
sólo el bullicio al gobernante ofende.
La nación es su casa solariega,
ese hogar lusitano junto al río,
su cátedra, su claustro, el labrantío.
Es el imperio de la fe andariega.
Señor de la mesura a quien no ciega
el aplauso mundano del gentío.
Sacrificio es mandar, pero el bajío
remonta al agua si el amor navega.
Tiene su acción el tono esponsalicio
de los antiguos reyes medievales,
sabedor de las normas teologales,
primero en el deber y en el servicio.
Tiene acaso en Platón su natalicioen
la aldea cristiana sus puntales,
el color de las frondas terrenalesl
a viril inflexión del epinicio.
Siempre de pie lo vieron en Lisboa
jerárquico en la acción y en el sosiego
entre Guinea, Mozambique y Goa.
Quieto el sol sobre Fátima se afila,
quietud de un pueblo en paz y sin trasiego.
Silencio todos: Salazar vigila."

Poema incluído na obra "La Catedral y el Alcázar", da Série "Héroes y Santos", de autoria do Padre Alfredo Sáenz, Ediciones Gladius, Buenos Aires, 2004.

Related Posts with Thumbnails